Experimental Playground, Empire Engines e novidades.



Este vai um daqueles posts onde vou falar de um monte de coisas, pois aconteceram várias coisas desde o último post.
Finalizei o rascunho de um segundo jogo, com mecânica de dominação de território e feito para incluir crianças na jogatina, sem, entretanto, deixar os adultos em um tédio mortal (pelo menos é a intenção, preciso playtestar o menino mais vezes e com mais pessoas, o que me faz lembrar que eu preciso montar um grupo oficial de playtestes).
mas só se você estiver disposto.


A produção do Machina: Simulacro de Guerra (meu primeiro jogo, em fase final de playtest e ilustração) está de vento em popa. Já existe uma versão sem as artes, que eu posso disponibilizar para quem estiver interessado em testar (e me dar um retorno, porque ainda preciso testar alguns detalhes). Se você gostou da ideia, entre em contato comigo para que possamos fazer isso.

Além disso, fiz algo que me deixou um pouco assustado de início, mas que me deixou profundamente feliz depois: entrei em contato com um dos criadores do Empire Engines, o simpaticíssimo Chris Marling.
Comentei com ele que sou um entusiasta da criação dos jogos e que estou trilhando este caminho por conta própria (antes eu ainda me denominava game designer, mas sinto que, neste exato momento, ainda não sou digno do título) e que tinha criado um jogo baseado no jogo dele, pedindo inclusive permissão para publicar o jogo.
Com muita simpatia, ele simplesmente pediu que linkasse o blog dele quando fosse postar o jogo. Por sua atitude positiva, encorajadora (que anda em falta em vários lugares, não só nos boardgames) e pelo excelente jogo, ele se tornou uma de minhas referências.
Vou deixar os links do blog dele e do download gratuito do jogo dele aqui e aqui.



Além disso, quero falar também do Experimental Playground.
Dois irmãos Malaios, que fazem jogos PNP extremamente bem pensados, com mecânicas interessantíssimas e, acima de tudo, grande simplicidade de materiais (o último jogo deles, Metal Quest, pode ser feito com apenas 3 páginas impressas).
Sem dúvida eles se tornaram referências no meu estilo criativo para jogos também, tanto que um terceiro projeto que eu comecei a rascunhar (faço um post sobre a minha forma de criar em breve) tem muitas referências do estilo eles também.
Visitem o Experimental Playground, pois eles são referência quando o assunto é jogos minimalistas e bem estruturados.
Para finalizar, quero saber uma coisa de vocês: vocês gostariam que eu disponibilizasse meus jogos sem as ilustrações, em versão não definitiva, para playtest? Ou preferem aguardar somente a versão final?

Ps Um salve para o Marcus que ajuda  e traduz os jogos do Experimental Playgound!

Este vai um daqueles posts onde vou falar de um monte de coisas, pois aconteceram várias coisas desde o último post. Finalizei o rasc...

3 comentários:

  1. Thanks for the shout out!
    You could always post your game with or without illustration although without illustration people won't likely to play it.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robertson, I'm really happy to see you around here! About illustrations in games I'll tryy something about it in the next days and I'll tell you about it

      Excluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir