Pela união nos destruímos: as origens de Atlântia





“É fascinante pensarmos que esta terra só foi descoberta por piratas e que estes homens e mulheres, desterrados e foras da lei, que viviam de saquear as riquezas trazidas das colônias Americanas, somente caiu nas mãos dos reinados europeus pela ganância e pelo descuido.

Muitos contam que a batalha entre as armadas dos reinos contra os piratas nestas costas escarpadas e malditas podia ser comparada ao Peloponeso, mas ninguém realmente confiável escreveu a respeito. E este combate já tem quase 200 anos.
O interessante foi o que aconteceu depois, já que a ilha pirata era, na verdade, uma terra muito maior do que se esperava, com animais exóticos e muitas maravilhas similares às conseguidas no sul das Américas, mas muito mais perto de “casa”.
A divisão foi feita de forma inteligente, embora Portugal tenha reclamado que tivesse muito pouca floresta e muitas rochas e costa, mas quando todos os outros países concordaram em pagar impostos para cada barco passando para as índias em suas águas, a situação foi resolvida.
Assim começou nossa história. 5 colônias espremidas dentro de um pedaço de terra com um deserto no meio.
 Ninguém reclamou o deserto, e todos os nativos que encontramos fugiam assim que nos viam, nunca fazendo contato. Todos eles eram vistos em caravanas para o deserto, em um tipo único de touro, que se tornou produto de exportação tanto para a Inglaterra quanto para a Espanha, por motivos diferentes.
 O mais fascinante é que, apesar de tantos motivos diferentes, acredito eu, pela forma como as colônias foram criadas, também foi por meio de uma união que todas se tornaram independentes de suas metrópoles ao mesmo tempo.
Assim reuniu-se, pela primeira vez, o Concílio de Atlântia.”




Este é um trecho de “A Epopeia de Atlântia” uma versão romanceada e veloz da história oficial de Atlântia, escrita em 1798, sob encomenda da família Imperial de Cidade Alta.

“É fascinante pensarmos que esta terra só foi descoberta por piratas e que estes homens e mulheres, desterrados e foras da lei, que...

0 comentários: