Game design: misturando mecânicas no nosso mais novo lançamento!


Hoje vamos ser bem oportunistas e usar nosso último lançamento para falar algo que apreciamos muito aqui no Studio Teia de Jogos quando o assunto é game design: mistura de mecânicas em novas dinâmicas.

Vamos falar um pouco disso enquanto apresentamos o primeiro dos dois jogos que foram escolhidos pelos nossos padrinhos para serem nossos próximos dois grandes projetos!

Conheçam o mundo perigoso de Rampage!

Rampage é, antes de tudo, um jogo que será inspirado em um projeto de formato em HQ do nosso ilustrador e sócios Ulisses Gabriel Tardivo, que trabalhou nas ilustrações do Machina e fez esse belo logo para o projeto.

Baseado em um universo distópico que lembra um pouco Mad Max, Rampage é sobre sobreviver em um mundo devastado contando com as pessoas e carros ao seu redor para buscar nas ruínas da grande cidade que existe próximo, chamado de O Lixão (pelo menos inicialmente) as peças e equipamentos necessários para sobreviver aos seus adversários e para montar um exército de Grungees, animais robóticos que são consideradas as máquinas de guerra supremas deste mundo decadente.

Com um lore rico e interessante, Rampage também está sendo pensado para atrair os jogadores com um mix de mecânica diferenciado. Estamos trabalhando para unir deckbuilding e worker placement em um jogo simples e de grande cunho estratégico, onde as suas decisões e as possibilidades no tabuleiro serão seus maiores amigos e, ao mesmo tempo seus algozes mais cruéis.

Ao decidirmos por esse mix de dinâmicas, pensamos, antes de tudo, em oferecer um tipo de jogabilidade diferente para nossos jogadores, já que a alocação de trabalhadores é uma das mecânicas mais usadas dentre os jogos de escola alemã.

Além disso, queremos que as decisões se tornem ainda mais interessantes quando a compra das cartas, para aumentar a qualidade e variedade dos trabalhadores disponíveis, além de outros benefícios para a sua cidadela, será disputada até o fim entre você e seus adversários. Queremos também oferecer uma maiores rejogabilidade ao incluir uma série de elementos que não são os mesmos dentro e um jogo que costuma ser bastante determinista em sua essência.

Ainda teremos combates, que serão decididos por meio de cartas de equipamento que você terá em sua mão, de forma muito similar à Kemet, por exemplo.

Por que usar as mecânicas dessa forma misturadas?

Antes de tudo, porque dessa forma você pode se inspirar em mais de um jogo ao mesmo tempo. Além disso, ao criar um jogo com mecânicas e dinâmicas similares a jogos já conhecidos no mercado, fica muito mais fácil para você, desenvolvedor, vender a sua ideia para pessoas que já jogaram aquele jogo, usando o que sabem dele como base de referências para o desenvolvimento de estratégias no seu jogo.

Os detalhes mais ousados, como a aplicação de conceitos de deckbuilding neste jogo, podem assustar muitas pessoas, mas a nossa ideia é oferecer algo realmente diferenciado com uma soma diferente daquilo que as pessoas já conhecem.

Quando for misturar mecânicas teoricamente, não se limite! Misture as mecânicas mais estranhas possíveis no conceito inicial do jogo e teste. Os testes vão dizer se ele realmente vale à pena ou não.

O Machina possui uma boa mistura de mecânicas e com isso se torna um jogo equilibrado e eficiente, com a base de sorte que um jogo de guerra precisa para não ser extremamente difícil de aprender e dominar. Outros jogos também fazem isso, e por isso mesmo acreditamos que seja uma forma interessante de oferecer algo diferente ao público.

O que acharam das ideias? Para saber mais sobre o Rampage, Basta ficar ligado no blog do Studio Teia de Jogos ou aproveitar para se tornar nossopadrinho e saber de tudo antes!

Hoje vamos ser bem oportunistas e usar nosso último lançamento para falar algo que apreciamos muito aqui no Studio Teia de Jogos quando...

0 comentários: