O aumento do interesse no PNP e o “lançamento de jogos de verdade”


para o nosso truque de hoje vamos precisar de... VOCÊ!



Vocês devem ter reparado que este mês e o passado nós tivemos uma diminuição considerável de postagens aqui, no facebook e na Ludopedia. Isso aconteceu não porque estamos desanimados ou porque estamos desistindo de nossos objetivos, pelo contrário, porque estamos com muito trabalho nos bastidores. Trabalho que vai começar a se descortinar para vocês neste novo mês que está entrando.
Ao invés de ficar falando do que vamos fazer (a maioria dos nossos planos já está sendo discutida com os padrinhos e parceiros. Fica a dica), vamos comentar algo que vem acontecendo e que nos deixa extremamente felizes e ainda mais cientes da nossa responsabilidade com o que construímos e que vamos construir ainda mais.

O aumento no interesse no PNP


Sim, ele está acontecendo. Felizmente o mercado nacional vem descobrindo que o PNP pode ser uma ideia interessante. Mais do que isso, os desenvolvedores estão descobrindo que a nossa fórmula de mostrar os jogos antes mesmo de começar a falar de um financiamento coletivo pode alavancar positivamente um futuro lançamento.

Os temores de que as “ideias sejam roubadas” e outras situações contra as quais viemos lutando nesse ano e meio de existência do nosso Studio estão caindo e estamos sendo procurados por alguns autores interessados em lançar seus jogos em nosso blog.

Isso, além de nos deixar profundamente felizes e orgulhosos, aumenta ainda mais a nossa determinação de avançar ainda mais em nosso objetivo de popularizar ainda mais os jogos, oferecendo opções mais acessíveis de jogos de tabuleiro.

Nos último mês nos aventuramos para além das fronteiras de nossos eventos mais tradicionais, indo até São Jose dos Campos (onde fizemos muitos amigos e com certeza retornaremos com certa frequência) e Itatiba (que nos recebeu maravilhosamente bem). Admito que faltem fotos, mas tem momentos que são tão bons que a gente esquece-se de tirar foto.

Tudo isso em prol do objetivo final: tornar o PNP uma alternativa lucrativa para quem produz (Neil Gaiman já dizia “Quero que todos tenham sua dose de meus quadrinhos por meios mais legítimos e que isso eventualmente pague meu jantar”) e cada vez mais interessante para quem consome.

“Quando vocês vão lançar o jogo de verdade?”


Sim. Eu já ouvi isso das pessoas, nos eventos, depois de demonstrar o Machina ou o Seguem Alterações. E elas não dizem por mal. Elas simplesmente acreditam que o PNP não é um “lançamento de verdade”. Que nós estamos apenas preparando o produto para um lançamento oficial, o verdadeiro, em um financiamento coletivo ou por meio de uma editora já estabelecida no mercado.

Nós acreditamos sinceramente que a disponibilização dos arquivos de um jogo para que as pessoas possam imprimir em casa é um lançamento sim. Inclusive eu tive diversas discussões com o Jonatas sobre o quão maduro um jogo precisa estar antes de ser lançado no blog. Em muitos aspectos ele está certo, e eu mudei algumas das minhas opiniões depois de pensar no que aprendemos com nossos primeiros jogos. Mais que isso, acredito que uma das minhas maiores esperanças, a de fazer do Studio Teia de jogos um precedente para que desenvolvedores pensem em novas formas de apresentar seus jogos para o público.

Aí entram alguns detalhes importantíssimos, nos quais nós vamos precisar demais da sua ajuda. Sim, você que está lendo esse texto!

A Ludeka tem sido uma parceira inestimável para o Studio, e a gente vem fazendo de um tudo para “ajuda-los a nos ajudar”. Afinal de contas, eles são uma empresa e vem dando um apoio inestimável para o nosso Studio, assim como o Pitta’s boardgames, que sempre abre espaço e apoia todas as nossas insanidades (vamos falar mais dos outros parceiros em futuras oportunidades). Só que o retorno não está sendo o que nós queremos oferecer para eles, em retorno de vendas dos kits, em procura por esses produtos que nós estamos ajudando a criar.

A questão não é vir aqui e “pedir para que você compre”. Isso a gente já faz em todas as nossas postagens. 

Queremos é entender exatamente porque os nossos kits não vendem tanto quanto queremos. Já que o 
interesse cresceu, como falamos lá em cima, porque as vendas não? Falta alguma coisa no que está sendo oferecido? Você quer a parte impressa junto com as peças? Ou você simplesmente não quer ter o trabalho de recortar e montar o jogo?
Deixe a gente saber o que você quer, talvez a gente mude o nosso jeito de trabalhar graças à sua opinião, pois isso sempre fez parte da nossa filosofia de trabalho.

  

para o nosso truque de hoje vamos precisar de... VOCÊ!

5 comentários:

  1. De minha parte eu não compro os kits do pnp por já ter centenas de componentes da ludeka, que faz um ótimo trabalho vendendo esse tipo de produto. Acho os kits uma boa do jeito que estão e não acho que mudaria algo só por vir os impressos juntos, pois vai ficar igual a todos os outros boardgames com o adicionar da qualidade gráfica, que acaba gerando muito mimimi. Agradeço a vocês pelo entusiasmo e que a arte do PnP vá além do jogar!

    ResponderExcluir
  2. Particularmente o que me afasta dos PnP é tempo e paciência de imprimir, recortar e ir atrás de componentes. Já tente fazer um PnP de um jogo de cartas, fui atrás de papel com uma gramatura boa, peguei os arquivos, mas ver a quantidade de cartas para recortar, de tinta de impressão a ser gasta e tempo para montar tudo me desanimou. Como o tempo é curto na correria das nossas vidas, muitas das vezes uma experiência já completinha e com bons componentes acaba falando mais alto. E é uma pena, pq meu lado designer sempre considerou fazer pequenos PnP como jogos iniciais para montar portifoliio. Sempre fico de olho aqui no teia namorando algumas experiências que parecem interessante, mas o trabalho em si de montar o jogo acaba me afastando.

    ResponderExcluir
  3. Francamente, acho q o problema são os preços dos materiais aqui no Brasil, q ainda podem cair muito mais se nossas editoras apostassem na produção local. Um dos maiores problemas de produzir jogos no Brasil é a carência de empresas satélite, principalmente longe do eixo Rio-São Paulo. Com a alta do dólar, tb fica meio puxado trazer peças de fora. Mas acho que o maior problema mesmo é a redução do poder aquisitivo das pessoas nos últimos tempos. THIS IS CRIIIIIISE!!!

    ResponderExcluir
  4. Assim como o amigo acima, eu já tinha comprado muitas peças da ludeka (no meu caso pra me ajudar com os playtests dos meus jogos). Por enquanto ainda não precisei de mais peças, mas quero ressaltar o quanto os jogos de vocês enriqueceram minha experiência, tanto com mecânicas que eu ainda não tinha visto quanto em relação ao entretenimento de família e amigos. Sinceramente, não tem o que tirar, nem por e mesmo com a compra dos kits sai muito em conta o PnP.

    ResponderExcluir